D˘r...

└ d˘r que sobrevoa o mundo
Pelas esquinas do desconhecido
CÓnticos num deserto profundo
Nas faces da injustiša sem sentido

Lßgrimas em forma de desespero
A implorar pela sombra do divino
Sentimentos envoltos no desterro
Que sofrem com o seu triste destino 

E como o sofrimento Ú vil e atroz
Na misÚria que entoa em desencanto
Aqueles rostos em agonia e sem voz
Que lutam sobrevivendo em pranto

 

China, Zhuhai 15.05.04, Adelino Sß